O meu estufadinho garantido / My go to stew

(for the English version please scroll down)

Até agora uma das fotografias que mais likes teve no instagram da my tiny green kitchen foi a de um humilde estufadinho de grão com cenoura e couve toscana. Apesar de alguma hesitação inicial em publicá-la, acabei por decidir partilhá-la convosco. Hesitei porque antes de começar a anotar o método e os ingredientes, tinha a sensação de que não havia bem receita. A verdade é que não uso sempre os mesmos ingredientes, depende, inteiramente, do que tenho em casa e garanto que tal como eu, vocês terão sempre por casa ingredientes para este estufadinho. Para além disso, assim que comecei a prestar mais atenção percebi que não havendo receita, há uma lógica e um processo que fazem com que o resultado seja sempre o mesmo: o comensal feliz e reconfortado.

1

Assim, o que decidi fazer foi dar-vos uma receita onde podem ver o método, mas, também, um guia com os essenciais, as trocas, os acrescentos e as alterações que podem (e devem) fazer, de acordo com o que tiverem por casa ou com o que mais vos apetecer.

E sejamos honestos, por vezes o mais simples, o mais aparentemente banal, se feito com carinho e atenção pode ser maravilhoso. Estufar é um método muito simples de conseguir extrair e combinar o sabor e as mais-valias dos ingredientes, permitindo que cozinhem todos no mesmo tacho, cada ingrediente ganhando com o seguinte. Ao contrário de cozer onde parte do sabor fica na água, num estufado o líquido que se utiliza é apenas o essencial e ao reduzir torna-se num irresistível molho, perfeito para ser enxuto por arroz ou, mais simplesmente, uma boa fatia de pão.

A base do estufado é muito simples, um refogado de cebola, alho, louro e, opcionalmente, especiarias e outras ervas. Ao qual juntam um vegetal de raiz, uma leguminosa e um vegetal de folhas verdes, garantindo que o resultado final é uma refeição equilibrada e saudável, pois temos os amidos e hidratos de carbono do vegetal de raiz, a proteína e fibra das leguminosas e a riqueza em vitaminas e minerais dos vegetais de folha verde escura.

Outra das vantagens é que fica feito em meia hora, sendo que a maior parte desse tempo vocês não têm que fazer grande coisa, só deixar apurar.

2

Ingredientes

1 cebola média

3 dentes de alho

2 folhas de louro

4 tomates chucha

2 cenouras

400 gr de feijão manteiga

300 gr de couve Kale

½ colher de chá de pimenta de caiena (ou mais se gostarem de picante)

1 pitada de canela

1 mãozinha de coentros picados

Sal

Azeite

Deitem um fio generoso de azeite num tacho e levem ao lume junto com as especiarias e as ervas secas para soltarem os aromas. Juntem a cebola e o alho e deixem alourar. Assim que a cebola estiver translucida juntem o tomate pelado (façam uma cruz na parte inferior do tomate, e coloquem-no em água a ferver por uns segundos, vão ver como a pele sai com toda a facilidade), a cenoura e uma pitada de sal. Juntem um copo pequeno de água, tapem o tacho, e deixem apurar uns 10 minutos em lume baixinho.

Juntem o feijão escorrido e deixem cozinhar outros 10 minutos. Passado esse tempo se vos parecer demasiado seco juntem um pouco mais de água. Adicionem a couve Kale, vai parecer imensa mas lembrem-se que diminui muito de tamanho, tapem e deixem 5 minutos.

Verifiquem os temperos, pode precisar de mais sal ou um poquinho mais de picante, neste caso podem sempre juntar umas gotinhas de piripiri. Sirvam e coloquem por cima coentros picados.

Aqui servi com arroz integral com cominhos. Basta tostarem cominhos (inteiros, não em pó) num fiozinho de azeite ou ghee, juntar uma medida de arroz integral (que deixaram de molho durante a noite) para quatro de água a ferver, e uma pitada de sal. Demora mais ou menos 30 minutos a ficar pronto.

Trocas, opções e acrescentos:

– Ingredientes fixos: cebola, alho, louro, azeite, tomate;

– Especiarias: pimenta de caiena, pimenta preta, cominhos, paprika, canela (escolham um ou misturem);

– Ervas: orégãos, tomilho, alecrim (escolham uma ou misturem);

– Líquidos: água, vinho branco, caldo de legumes (escolham um);

– Vegetais de raiz: cenoura, batata-doce, abóbora (escolham um);

– Leguminosas: qualquer tipo de feijão, feijoca, grão (escolham um);

– Vegetais de folha verde: espinafres, couve Kale, couve toscana, couve lombarda (escolham um);

– Toque final: coentros ou salsa;

– Podem servir com arroz branco, arroz integral ou fatias de pão.


My go to stew

So far, one of the most liked my tiny green kitchen photos on Instagram was a humble chickpea, carrot and dark kale stew. Despite some hesitation on publishing the recipe or not, I’ve decided to share it with you. I was hesitant because before starting to take notes of the method and ingredients, I had the feeling that there wasn’t really a recipe for this. Better said, I don’t always use the same ingredients, it totally depends on what I have in the pantry, and I guarantee, that as in mine you will surely have all you need for this stew in the house already. But as soon as I started to pay attention, I realized that even though there wasn’t a recipe, there was logic, and a method that allow for the same outcome: one happy and comforted person.

3

So today I’m sharing a recipe for you to follow the method, but also a list with the essentials, the swaps, the extras and changes you can (and should) do according to what you have or what you’re in the mood for.

And let’s be honest, sometimes the simplest and most apparently banal things, when done with care and attention can be just wonderful. Stewing is a simple method to extract and combine flavor from ingredients, allowing all to cook in the same pot, each ingredient gaining something from the next. Unlike boiling, where part of the flavor is lost in the water, in a stew you need less liquid, that while reducing gets transformed in an irresistible sauce, perfect to be soaked by some rice or a good slice of bread.

The base of the stew is very basic: onion, garlic, bay and, optionally spices and other herbs. To that you add a root veg, a legume, and a dark leafy green, making sure the end result is a healthy balanced meal, because we’re combining the starches and carbs from the root veg, the protein and fiber from the legumes and the vitamins and minerals from the leafy greens.

Another advantage of this recipe is that it’s ready in about half an hour, and most of that time you don’t have to do much, just allowing it to cook.

Ingredients

1 medium size white onion

3 cloves of garlic

2 bay leaves

4 medium size tomatoes

2 carrots

400 gr of Kidney beans

300 gr of Kale

½ tea spoon of cayenne pepper (or more if you like heat)

1 pinch of cinnamon

1 handful of chopped coriander

Sea salt

Olive oil

Drizzle some olive oil in a pan and get it on medium heat. Add the spices and bay to release their aromas. Add the onion and garlic. As soon as the onion is nice and soft, add the peeled tomatoes (with a knife do a little cross in the end of each tomato, plunge in boiling water for a few seconds, and the skins should come out really easily), the carrot and a pinch of salt. Add a small glass of water, cover the pan, and allow to cook for 10 minutes in a low heat.

Add the soaked beans and cook for 10 more minutes. If it’s looking too dry add a bit more water. Now add the Kale, it will seem like a lot but it will reduce a lot in size, cover the pan and cook for 5 more minutes.

Check your seasoning, it may need more salt or a touch more heat, if you want a little extra quick add a few drops of piri-piri sauce (Portuguese hot sauce, if you don’t have it, use whatever hot sauce you have). It’s ready to serve with a good sprinkle of chopped coriander.

Here I’ve served it with brown rice with cumin. Simply toast the cumin seeds in a tiny bit of olive oil or ghee, add 1 part brown rice (that you’ve soaked overnight) to 4 parts boiling water and a pinch of salt. Should take about 30 minutes.

Swaps, options, extras:

– Must have: onion, garlic, bay, olive oil, tomatoes;

– Spices: cayenne pepper, black pepper, ground cumin, paprika, cinnamon (choose one or a mix);

– Herbs: oregano, thyme, rosemary (choose one or mix);

– Liquids: water, white wine, vegetable stock (choose one);

– Legumes: any kind of bean, chickpeas (choose one);

– Leafy veg: spinach, kale, or any other dark green cabbage (choose one);

– Final touches: coriander or parsley;

– Serve with: white rice, brown rice, good bread.

Advertisements

8 thoughts on “O meu estufadinho garantido / My go to stew

  1. E ontem resolvi tentar. Segui a receita e… tcharannn! Um jantar delicioso. Obrigada Inês por esta ajuda num dia que foi de brincadeira. O teu estufadinho (aqui que em casa ficou conhecido como o estufadinho da Inês) permitiu uma brincadeira sem fim porque a mãe não teve que desaparecer durante muito tempo para fazer o jantar.

    Like

  2. Também experimentei! Acrescentei mais uma coisa ou outra porque tive dificuldade com a parte do “escolham um”, ahaha! Resultou muito bem 🙂 E é uma boa alternativa à sopa, no sentido em que também permite comer muitos legumes e coisas boas dentro da mesma panela.

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s